sábado, 4 de fevereiro de 2017

O brilho do sol

Resultado de imagem para divergente convergente
Fonte da imagem google imagens


O brilho do Sol

Com a voz tremula, caminhávamos diante dos olhos das águias que pairavam sobre nossas cabeças, eram anos de tormenta, um sofrimento infindável para as almas que agonizavam por amor. Lutas infinitas ao amor que jamais finda; e além da vida brilha a luz que para sempre define o nosso amor! Falou Anastácia, para Avalon de Mendrey III. Ele, em silêncio ouvia a sua Amada. Fitava-lhe no mais profundo dos olhares.

Sua voz chamou-me de volta! Falou ele. E eu, já estava atravessando o portal da morte quando teus olhos buscou-me na escuridão. Insistiu Anastácia respondendo-lhe e olhando-o de forma melancólica e doce.  E os dois reluzentes faróis da mais pura emoção, olhou-a atentamente desejando o amor eterno. Eram olhares penetrantes, iam ao fundo dos olhos e beijava a alma. Ambos segurados por um amor infindável lá estavam: Anastácia e Mendrey, enclausurados na veste do tempo, amando em um simples olhar ao mais breve de todos os pensamentos! 

Ele ouvia as doces palavras de sua amada que: as cravavam mundo afora em tuas eternas batalhas pelo amor verdadeiro! Tinha a certeza de que era ela! Ela, a certeza de que era ele! Em si completavam a unicidade do amor por milhares de anos vividos um para o outro. Mendrey e Anastácia, os últimos dos primeiros  Deuses do amor, na extinção de uma raça! 

Por anos lapidaram o tempo em busca de suas reais metades. Eximiram-se da ordem de caça, cravou-se na eternidade de um amor sem maldade; amor que se eterniza e nunca passa; amor nas verdades do tempo que lhe ultrapassa ao mais longo limite da vida e assim brilha eternamente com o sol em cada novo raio que desponta no horizonte.

Numa melodia infindável que somente os puros de coração conseguem entender, um amor eterno vai sobreviver. É o amor entre os Deuses que nunca irá morrer! É a historia que vira lenda, para sempre dentro do ser! É o amor do impossível, que sempre há de se ter, eterno é o ser. Na clave mais alta no monte, um único som,  transcorre a infinitude do tempo, num amor que em nada se repete! E em eterno e se renova ao amanhecer. Amores verdadeiros nunca irão padecer!

um grande abraço a todos
Postar um comentário