domingo, 3 de junho de 2018

LIVRO: O Silêncio vai falar (Luciene Rroques)



01

Livro 

Um bom lugar é aqui...


O futuro é preciso, é calculado com todo o passado somado aos atos do presente; e não adianta querer que seja diferente o futuro é certo. A lei é universal e a vingança é um doce embrulhado em um papel de presente. Muito cuidado com o Natal! E acreditem, as almas injustiçadas voltam para se vingar! Já aquelas que praticam a injustiça em vida, estas não voltam mais, perdem seus poderes de comunicação com o outro lado.

Naquela noite não se pediu explicação, as vozes eram claras, objetivas, algo muito ruim estava prestes a acontecer, ou ainda poderia até demorar um tempo, tudo dependia dos atos do presente; os acontecimentos moldavam o próximo ato que estava a caminho e com aquele que tanta injustiça praticou e continuava a praticar contra a mais amada de todas as bruxas, Lucy; este sim era o alvo dos homens mortos.

É tolice achar que um homem morre com sua carne. Não, ele não morre, ele muda de aparência. E Marthello já estava com a aparência dos mortos há aproximados trinta anos, ou ainda mais. Ele queria vingança contra o seu  desprezível irmão mais velho. Mesmo depois de tantos anos ele não perdoou o irmão por teus atos.

A bruxa os sentia se aproximando. Eram muitos homens do outro lado da morte, e todos eles odiavam Charles, o irmão mais velho. Eram anos de ódio do próprio irmão e os outros homens mortos abraçaram a sua causa, eram homens sanguinários; mortos em batalhas de guerra, queriam muito sangue.  Muitas almas, além deste mundo, queriam charles do outro lado para uma conversa frente a frente; e ele sabia que um lugar bom é aqui, pois no íntimo sua alma sentia as feras que o aguardava lá do outro lado.

Já haviam levado o pai e a mãe; e queriam-no a qualquer preço, viam as maldades que ele fazia contra Lucy. A espreita  ficavam como as onças que permanecem de tocaia aguardando o mal cheiro daquele ser humano podre na alma. A cada maldade de Charles contra Lucy mais homens mortos se aproximavam dele.

Eles vieram. E ele estava junto deles, o irmão mais novo, era Marthello; a bruxa o sentia ali. A sua presença lhe dava arrepios, mas calada permaneceu. Ela sabia da lei tríplice e não iria se condenar por uma eternidade.  E pelo amor que sabia ter do irmão mais novo, lhe tinha. Viveu anos de silêncio sentindo a sua presença em cada canto da casa erguida em sua morte.

Era um amor de criança, puro e inocente. Morreu antes mesmo de se concretizar o casamento sonhado por Marthello, ele foi viver como os homens mortos vivem. Ela, a linda bruxa, não podia mais segurar a irá daquele que morreu pelo dinheiro e amaldiçoado de seu irmão mais velho. Com sua precoce morte todo o dinheiro tornou-se maldito. E os atos de Charles após a morte do irmão apenas aumentou a sua ira eterna.

Ao irmão mais velho coube ser condenado a ficar com o dinheiro de sua morte; a mãe coube a solidão e a culpa eterna de desligar os aparelhos que mantinham vivo o próprio filho. Marthello rondava sempre e  nunca permitiria ser feliz aquele que lhe tirou a vida e sua amada. O sorriso de Lucy era o balsamo da alma de Marthello, ai de quem lhe retirasse do rosto a felicidade. Mesmo que o irmão ficasse com todo o dinheiro, com Lucy não permaneceria jamais.

Em abundância teria tudo e em verdade não tinha nada. E a vida que tinha estava condenada.  A morte levaria todos os três, seu pai, a mãe e seu irmão era o próximo. A bruxa calada sabia de tudo que viria. Olhava, observava as maldades e avareza do irmão mais velho. Tentou por vezes lhe avisar, mas foi em vão, ele queria muito mais o dinheiro que o bem do próximo. O dinheiro lhe movia. O dinheiro lhe mataria. A bruxa de tudo sabia e só assistia. O livre arbítrio é real.



Continua na próxima postagem....


Um grande abraço a todos!