sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Onde habita a perfeição



Há nesta vida homens capazes de ser eternos, Confúcio e Dante, doce esmero. Meus amores eternos que tanto lhes quero, almas infinitas de um dialeto seleto, onde Albert Einstein jamais silenciou , ah! Mendel o amor que levou_me aos mais sofisticados saberes. Meus eternos quereres.

Querido Sócrates de minha intimidade resolvida, amor eterno um dos grandes seres que habitam a mente erguida;  os pensamentos racionais, os bens maiores desta vida, encontrei-lhes ao dar-te a mão. Pobres são os homens que vivem na escuridão! A maior das riquezas: a capacidade de inteligência. Tão suprema, esta que  as leis de Talião não lhe faria igualdade.

Aqueles que a tem, não deixa para ninguém as leva consigo para a eternidade, ou não . Um tolo rico, e um pobre sábio, qual dos dois permanecerá com sua fortuna resguardada eternamente? Nenhum. Riquezas intocáveis são compartilhadas nas idéias e quanto mais se dá mais se acumula. É inversamente proporcional.

O tolo rico desconhece que tudo que tem, na verdade nunca lhe pertenceu, apenas esteve contigo, e um dia pertencerá a outrem por força da lei e do Estado,  logo, não é ter, é estar com uma riqueza que não é sua, nada pertence verdadeiramente ao homem, tudo apenas está em sua posse enquanto sobre a terra caminhar.

O sábio claro; este sim, é dono real de suas riquezas. Mas que riqueza há na inteligência? Nenhuma, exceto as certezas de que riquezas inexistem no mundo físico, é apenas no metafísico onde o homem realmente possui qualquer coisa que lhe seja sua.

Ora pois, o tolo rico não é rico também, assim como seus próprios  bens, toda a sua existência nunca lhe pertenceu, tudo não passou de uma grande tolice! Ao homem que desconhece a si mesmo, não é dono de si, nada lhe pertence; é apenas um mero expectador da caverna.

Tomo de ti o cálice, cicuta, despedida  da vida a emoção. Tiro daqui a tua mais linda lição. Mais vale à mim, dar luz aos que tem sede desta, do que livrar os tolos de suas cavernas, eles precisam dela. A caverna é fundamental. A linhagem humana não é perfeita, nem é sapiência; é preciso muitas cavernas para abrigar os homens que se queimariam com o conhecimento do desconhecido.

É preciso que alguns leiam estas palavras e compreendam-nas, no entanto, mais preciso é ainda que: alguns achem que seja bobagem e loucura, é ingenuidade humana não garra só guerra, se bem utilizada gera a paz e a esperança. Que o mundo perca o amor, pois está é  o caminho que se trilha dia após dia, más, que o homem não perca a esperança, pois sem esta ele é morto em vida.

Em cada manhã, dos longos e tão breves dias, dê para um homem a chave da porta e espere que ele se liberte, se este mesmo homem não souber o que fazer com a  chave , é preferível que viva eternamente trancafiado no seu interior, pois o conhecimento tem dois lados, em um liberta, no outro aprisiona.

Platão, jovem belo amigo de Sofia, eterna é a incompreensão das mentes que lhe acedia. Assim, do alto da torre se nota as vagas filosofias. Dê à um homem apenas o que ele pode entender; pois aquilo que seu intelecto não conseguir alcançar, não lhe terá valor algum.

De aos homens a esperança de dias melhores. Os sábios de hoje, queria tu compara-los aos teus, Platão amor meu! Julgam saber o saber, oh demência de homens arrogantes e intolerantes, desconhecedores da república. Se o tempo me fosse capaz, teria os tolos uma grande chance e os sábios a infinita certeza de que nunca seremos donos da verdade, mas podemos aprimora_la sempre.

Um grande abraço a todos.
Um feliz 2017.
Postar um comentário