quinta-feira, 29 de maio de 2014

A última rosa mestra


 
A última rosa mestra

 

Havia uma grande mestra no ensinar. Sabia tudo! E esta venerava, adorava as rosas vermelhas. Por onde passava dava a mais belas receitas de rosas vermelhas! Ensinou muitos, que ensinou à muitos!
 
Certo dia, decidiu formar novos professores, em outras localidades distantes dali. Disseminadores do grande saber da rosa. E fora numa destas andanças que conheceu a sua maior admiradora: uma simples e humilde professora, com sede de aprender.
 
A grande mestra deu o melhor de si ao ensinar a sua arte, e a professora correspondeu; aprendeu cada traço, cada detalhe mínimo. Durante as aulas a mestra dizia para a professora: _ Pinte a rosa de vermelho, este é o grande segredo da rosa!
A professora aprendiz, aprendeu o aprender da grande rosa vermelha, e por sua vez dedicou-se a ela. Viveu pela rosa. Gastou todos os seus pinceis vermelhos. Admirando cada vez mais a sua eterna mestra. Criou as melhores rosas vermelhas. Em cada rosa produzida a perfeição "mestral" era feita com toda dedicação possível.
Vez ou outra; a humilde professora, aprendiz da grande mestra, lembrava das rosas amarelas, as suas favoritas, venerava as tais rosas; mas estas, não se encaixavam no grande saber do seu saber, não irão atender as necessidades do conhecimento recebido.
E por anos, mergulhada no saber, a professora reproduziu com os seus alunos as melhores rosas vermelhas que já existiram! Eram rosas fantásticas, eram rosas eternas. E seus alunos aprendiam a cada dia mais; e faziam as rosas mestras, perfeitas, iguais em competência visual.
E fez! Como todos os dias fazia; se levantava, vestia o uniforme da instituição e ia plantar rosas mestras em seus alunos. E deste modo os anos se passaram e o mundo ficou florido pelas mãos da humilde professora.
 Em uma bela manhã de sol fresco e despontado. Eis que surge um carro desgovernado; e mata a humilde professora. Professora tão querida. Dedicada nesta vida. A formar o conhecer! De alunos dedicados! agora desolados por lhe perder. Com tantos trabalhos passados. Rosas, rosas e rosas ela iria receber!
No seu ultimo momento de despedida; rosas vindas de toda parte; como nunca se viu na vida, homenageando a professora querida. Trazidas as dúzias por cada um de seus alunos, que veio a ti dar o último reconhecimento. Milhares de rosas vermelhas, no último adeus, cobriram o corpo da dedicada e humilde professora.
Goiânia 1999
São Paulo, 2001. Congresso Internacional de Avaliação da Educação.
Luciene Rroques
Um grande abraço a todos.
Postar um comentário