segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

O estupro das palavras


Fonte da imagem: Google imagens


O estupro das palavras
O poder dentro das palavras que somente os humanos estão de posse, está por dentro de seus mais profundos significado existenciais. É inadmissível aceitar que as palavras ganhem força e morram antes de suas principais bases; ou seja, o que está por dentro delas. Ao levar em consideração o surgimentos destas bases internas das palavras; nota-se o quanto elas estão sofrendo. Elas estão fracas, solitárias, a beira da morte;  as palavras estão sendo abusadas. E a vida somente se tornará mais leve quando as palavras forem bem acariciadas, manuseadas e deliciadas por seletos degustadores da alma.
As palavras não têm força alguma se não atingirem o que há de mais intrínseco dentro do homem. Incoerente é aquele que use sérias e frágeis palavras sem tê-las. O abuso das palavras tornou-se tão banal que palavras são estupradas todos os dias por qualquer pensamento mortal; por qualquer oral, palavras são mutiladas,  humilhadas de significados. São devastadas em um mal desigual; pobrezinhas das palavras se tornam somente  vítimas, fracassadas, cansadas e sem alma.
Feliz da palavra menos usada por seres humanos. Feliz dos sentidos que não enxergam as piores palavras, aquelas sofridas de abuso de gente! As palavras sofrem em suas almas. Palavras têm almas, mas somente até o momento em que são ditas em seu significado; pois após perderem suas almas se tornam apenas mais uma palavra estuprada pela humanidade. As palavras mais importantes estão presas na estante do pensamento e poucos ousam lhe entender a alma. Cervantes, usufruiu aos instantes as mais titubeantes palavras! E hoje é assim que vivem as palavras, despidas de suas almas: nuas, nas sarjetas, peregrinam vagas em qualquer lugar, palavras estão morrendo e ninguém está a notar!
As palavras perdem a calma, pois palavras estupradas já sobrevivem sem alma. E  o coração de cada palavra se cala no mais profundo silêncio da insignificância, pois é na palavra que mora o pensamento humano. É a palavra a única capaz de promover o tão esperado batimento cardíaco da alma. Palavras estão a beira da morte, infartadas de seus significados. É triste ver tantas lindas e importantes palavras sendo mal utilizadas "estupradas" todos os dias por significados vulgares, insensíveis, insignificantes, incapazes de traduzir e compreender a maior felicidade de uma palavra: ser entendida na alma daquele que a possui. As palavras precisam de significado real ou deixam de viver; as palavras estão a padecer. Salve as palavras!


Um grande abraço a todos! 
Postar um comentário